Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


Pesquisar

 


A crise das subsistências

Terça-feira, 03.06.14

A crise das subsistências

Na Gazeta de Coimbra de 19 de Setembro de 1917 podia ler-se que “ em várias terras dos concelhos de Ceia e Gouveia dão-se tumultos. Em Coimbra há falta de farinha”.

Na actualidade ainda há pessoas a ter necessidades alimentares, mas que em nada se compara com a miséria que então se vivia em Portugal.

A falta de géneros levou as populações de “ Lagarinhos, Vila nova de Tazem, Pinhanços, e Quintela, dos concelhos de Ceia e Gouveia, se levantarem por causa do excessivo aumento do azeite (...).

“O povo armou-se com os instrumentos da lavoura e invadiu as propriedades. A força publica compareceu, mas nada pode fazer”.

(...) A falta de azeite nalguns concelhos levou a população a impedir “ que os referidos produtos sejam exportados”.

Em Torrozelo, constava-se que havia um proprietário que “ possui mais de 10.000 alqueires de azeite, enquanto que noutras localidades a sua carestia é bastante acentuada”.

Em Quintela, um homem que ali se deslocou para comprar grande quantidade de azeite foi assaltado pela multidão que o obrigou a abandonar a carga e a vender o azeite a $40 o litro quando este individuo o tinha adquirido a $55”.

A escassez de azeite levou as pessoas dalgumas terras dos concelhos de Seia e Gouveia a “assaltar os estabelecimentos comerciais”. Em Torrozelo, não há notícia que tal tenha ocorrido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por António Madeira às 12:26


Comentários recentes