Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correio de Torroselo

Defensor dos interesses de Torroselo, de Seia e da Região da Beira Serra

Correio de Torroselo

Defensor dos interesses de Torroselo, de Seia e da Região da Beira Serra

15/01/18

Entre Serras... Herminismo

Alguns dos nossos leitores, poucos, se lembrarão  do percurso da carreira para Coimbra. 

Ao longo da "velhinha" Estrada da Beira parava em todas as localidades, mas uma, a Ponte de Mucela era especial. Nesta localidade do vizinho concelho de Arganil, todo o pessoal saia da camioneta para estender as pernas e comer qualquer petisco na pensão que por ali existia. A viagem era longa, as curvas e o piso da estrada não permitiam grandes velocidades.

O texto que aqui publico foi retirado do livro de F. Mendes Póvoas, "Entre Serras" e relata uma das várias viagens feitas por este torroselense que, em vida, divulgou e promoveu Torroselo e toda a região herminista.

 

Às dez e meia, os travões fizeram-se ouvir:

- Trerr, trerr,tre, tá, trerra, tá, tá!...

- Almoço! – bradou o guarda-freio do camião – Ponte Morcela!

Efectivamente estava-se na “grande estação” de Seia a Coimbra, mas ainda entre serras… Mitos dos passageiros arregalaram os olhos e todos desceram com a convicção de que a modéstia do edifício que lhes ia servir de hotel, valia bem mais que os radiosos luxos da Pampilhosa e do Entroncamento. Só o vinho, não se sabia porquê, poderia desacreditar a casa, mas nunca o gostoso e sadio pão de trigo lá faltara. Tudo estava caro, mas na Ponte Morcela o preço da comida pouco havia subido e não era preciso recalcitrar contra o fornecimento da mistela…

Os lugares foram totalmente preenchidos. Com efeito! A carrada era tremenda; e quando a vimos encarreirada a saborear o arroz, prato da especialidade da casa, ela denunciou-se de – representação. Advogado dos mais distintos e conhecidos de Oliveira do Hospital, estudante de Direito da Universidade de Coimbra, jornalistas, tipógrafos, funcionários dos Ministérios, comerciantes, empregados judiciais, capitalistas e até um comendador dos tempos da Outra Senhora, tais eram os nossos companheiros de viagem; e cada qual fez a sua obrigação. Nada! Que da Ponte a Coimbra ainda era lonjito e às vezes os maquinismos têem os seus caprichos, como as meninas solteironas.

- De modo que – disse o Rodrigues depois do almoço – tu é que rematas-te o “compadrio” com a publicação da carta entrudesca do “Alma Nova”. O conteúdo devia ter deixado entrever a mão oculta…

- Estou ligando… Estou ligando… E pena foi que então não tivesse saído completa:

Continua….

F.Mendes Póvoas, in “Entre Serras… Herminismo”

Edição do Autor, Julho de 1926

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.