Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 


Máquinas fotográficas analógicas

Sexta-feira, 03.10.14

 Há relativamente poucos anos que apareceu a fotografia digital. Ainda sou do tempo das "velhas" máquinas Kodak com  vários tipos de rolo. A saber: formato 110, 126, Rapid, (este exclusivamente para um determinado modelo de máquina da Agfa), 620  e 120. Este último, era muito utilizada pelos fotógrafos profissionais. Tirava 12 fotografias e, a vantagem, de ter um negativo óptimo para grandes ampliações. Ainda estava para aparecer o 35mm.

 

Havia também os rolos de slides (diapositivos) que, depois de revelados e montados em caixilhos, se podiam projectar num écran. Alguns desses rolos, caso do Kodacrome, tinham que ser enviados para Espanha para serem processados. O seu preço de venda incluia a revelação e montagem.

 

Tal como os slides, também os filmes super 8 Kodacrome  eram vendidos com a revelação incluída no preço e, enviados para Espanha para processar.

 

Não  tive grandes máquinas fotográficas, não que não gosta-se de ter, mas porque o dinheiro nunca abundou por estas bandas. A primeira máquina que tive  ( Empire Scout) foi comprada nos anos 60 e era formato 120. Anos mais tarde, tive uma Halina 35mm que me acompanhou durante grande parte do serviço militar. Por fim, e continuando a falar nas analógicas, tive e tenho, a Olympus AZ300. Mas está de parte, agora só utilizo a digital, que está a precisar de ser substituída por algo mais avançado.

 

Este anúncio da Kodak foi publicado no Diário de Lisboa, edição de 18 de Julho de 1952. Ou seja: há 62 anos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por António Madeira às 22:43


Comentários recentes