Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correio de Torroselo

Defensor dos interesses de Torroselo, de Seia e da Região da Beira Serra

Correio de Torroselo

Defensor dos interesses de Torroselo, de Seia e da Região da Beira Serra

A Comarca de Arganil, 28 de Janeiro de 1930

gremio.JPG

A delegação em Coimbra do Grémio Torroselense  envia um ofício à A Comarca de Arganil , de agradecimento  pelo "auxilio desinteressado que nos tem vindo prestando" (...) O ofício é assinado pelo presidente da delegação, Abílio dos Santos Júnior.

tribunal.JPG

 

 

 

No Tribunal de Seia continuava o "julgamento de Manuel Nunes Alves, de sua irmã Emilia Alves e o marido desta, José Homem Ferreira, do Vale da Igreja, deste concelho, protagonistas duma scena violenta, que por pouco não redundou em tragédia.

(...) Pelo decorrer do julgamento verificou-se que a animosidade entre eles vinha já de longe".(...) 

Gazeta de Coimbra, 20 de Março de 1915

Dr arnaldo -Gazeta de Coimbra, 20 de Março de 191

A Gazeta de Coimbra, de 20 de Março de 1915, noticiava, que "tomou posse do logar de administrador deste concelho, o sr. dr. Arnaldo Sacadura.

A posse foi-lhe dada pelo sr. dr. José Albano, que tem desempenhado aquele logar como presidente da Câmara.

(...) Esperando que s. exª. , o novo administrador, se dê bem no seu logar, daqui lhe enviamos os nossos cumprimentos".

O sr. dr. Arnaldo Sacadura não sendo torroselense de nascimento era por dedicação. Aqui mandou construir a Casa da Cerca, onde vivia com a sua família. Teve vários filhos, entre eles o sr. Coronel Sacadura que, muitos conterrâneos, ainda conheceram pessoalmente..

 

Em Seia, "o sr. dr. Simões Pereira adquiriu um automóvel Ford, que aluga por um preço excessivamente comodo". 

Neste longinquo ano de 1915, talvez se contassem pelos dedos de uma mão os automóveis  existentes em Seia.

Outros tempos... 

Vila Flor (I)

Capital do Azeite, no coração da Terra Quente Transmontana, a Sul do Distrito de Bragança, Vila Flor conta com cerca de 8 mil habitantes, distribuídos por 19 freguesias, numa área total de 272 Km2. D. Dinis, Rei Poeta, aquando da sua passagem por este burgo até então denominado por "Póvoa d´Álem Sabor", ficara encantado e rendido à beleza da paisagem e, em 1286, carinhosamente a re-baptizou de "Vila Flor". Cerca de 1295, D. Dinis manda erguer, em seu redor, em jeito de protecção, uma cinta de muralhas com 5 portas ou arcos. Resta o Arco de D. Dinis, monumento de interesse público.

A Idade Média deste “ramalhete de cravelinas e bem-me-queres”, como lhe chamou Cabral Adão, é florescente, recebendo especial impulso com o acolhimento de famílias judaicas fugidas às perseguições europeias e que aqui foram desenvolvendo a agricultura, o comércio e as indústrias de curtumes e ourivesaria. D. Manuel I viria, mais tarde, a atribuir novo Foral a Vila Flor, reformulando o anterior, em Maio de 1512, o qual pode ser apreciado no Museu Municipal D.ra Berta Cabral. De carácter anti-judaica, a politica de D. Manuel I significa a expulsão dos judeus do Concelho mas ainda podem ser apreciadas ruínas de habitações e pedras da calçada das Ruas Nova, do Saco e da Portela, herança deste período remoto.

 

Rico em história, tradições, monumentos e gentes, o Concelho é também referência pela excelente qualidade dos seus produtos agrícolas que brotam do fértil Vale da Vilariça. Empresas como as Frize e a Sousacamp, conhecidas dentro e fora das fronteiras lusas, também fazem parte do património desta terra. Famosos na arte de bem receber, os alojamentos em Vila Flor incluem, para além de um Hotel, Agro Turismo e Turismo Rural. No verão, este "burgo alpestre" é procurado por centenas de turistas oriundos de vários cantos do país e estrangeiros, pela riqueza verdejante do seu Parque de Campismo.

Fonte:http://www.cm-vilaflor.pt/historia/

Imagens de Vila Flor, terra de bom azeite, vinho, amêndoa, batata e outros produtos que a terra dá.
Rica em património religioso, com bonitas igrejas e santuários, com destaque para o Santuário de Nossa Senhora da Assunção, na freguesia de de Vilas Boas.  Na Vila, a não perder, uma visita à Igreja Matriz, Igreja da Misericórdia, Museu Municipal Dra.. Berta Cabral,  Posto de Turismo, Fonte Romana, Arco de D. Diniz, Parque de Campismo e Piscinas Municipais.

Torroselo na Gazeta de Coimbra, 11 de Setembro 1928



Em 1928, Torroselo tinha uma grande procura de "veraneantes de Coimbra e Lisboa, que escolhiam a nossa terra para passar as férias.

Muita desta escolha pela nossa terra deve-se ao "jornalista regional, F. Mendes Póvoas que tem feito grande propaganda da Serra da Estrela".

Por haver muitos veraneantes "há uma grande dificuldade em arrendar uma  casa, pedindo os seus proprietários rendas aproximadas às mais exploradas estâncias de Verão.

(...)A Serra vai sendo a preferida para repouso dos que labutam dia a dia nas cidades como Coimbra e Lisboa".

Naquela época longinqua, a colónia torroselense em Coimbra era muito significativa, como se pode confirmar nesta notícia da Gazeta, que menciona os nomes de imensas famílias  a passar as férias de Verão.


Inauguração de um posto telefónico em Folhadosa

A Comarca de Arganil noticiava em 8 de Agosto de 1950, em correspondência enviada de Folhadosa, a inauguração "de um posto telefónico público, que representa um importante melhoramento para esta freguesia".

Muito povo aguardava as autoridades concelhias, estando presente a "Filarmónica de Torroselo".

Na sessão solene falaram algumas individualidades representativas do concelho e da freguesia: "sr. Eduardo Amaral, presidente da Junta de Freguesia, Dr. Francisco Pina, médico municipal, Dr. Mota Veiga, presidente da Câmara, etc.".

Várias  personalidades foram  convidadas para o acto, nomeadamente os ilustres torroselenses: padre António Alves de Campos, Francisco Mendes Póvoas, Dr.Pina e Luís de Albuquerque Pimentel.

Foi um grande acontecimento para a época! O mundo estava a uma grande distância temporal do aparecimento das grandes tecnologias de comunicação e informação. Contado hoje, aos jovens, esta notícia para eles, nada lhe diz. Mas, a verdade é que há 50, 60 anos, ainda não se sonhava  ter estas comodidades da vida moderna; telemóvel, net, etc.

 

 

 

3º Encontro/Convívio dos Antigos Combatentes de Torroselo

Nos 13 anos de Guerra do Ultramar/Colonial, muitos torroselenses serviram Portugal em África. Todos aqueles que partiram em missão de soberania regressaram vivos, e sem problemas físicos ou de saúde. Houve tempos em que alguns desses antigos combatentes se organizavam e realizavam almoços de confraternização. Esses encontros tinham como objectivo o convívio entre antigos militares e suas famílias. A anteceder o almoço/convívio realizava-se uma romagem ao cemitério de Torroselo, seguido da Missa Dominical em que eram lembrados aqueles companheiros que partiram para o descanso final.

Hoje, vou recordar o 3º almoço realizado em Agosto de 2001.

Avô - bonita aldeia do município de Oliveira do Hospital





Igreja Paroquial de Avô

Sede da Junta de Freguesia de Avô



Sede da Sociedade Filarmónica Avoense




Vista parcial da antiga Vila de Avô


Avô, terra do poeta guerreiro Brás Garcia de Mascarenhas (3-2-1596), que se notabilizou nas guerras da Restauração e que por isso foi distinguido pelo Rei D. João IV. Mas, também do médico Dr. Vasco de Campos, que aqui viveu e teve consultório; Jerónimo Sanches Pinto, professor e proprietário de farmácia, natural do Sabugal, mas aqui viveu muitos anos. Foi presidente da assembleia geral da Sociedade de Defesa e Propaganda de Avô, da Sociedade Filarmónica Recreio de Avô, correspondente de jornais, etc.. 

Em Avô, deve visitar a Ilha do Picoto, o Castelo, Monumento a Brás Garcia de Mascarenhas, Centro Histórico, Igreja Paroquial, sede da Banda Filarmónica e da Junta de Freguesia; o Centro Cultural e o Lar da Sociedade de Defesa e Propaganda de Avô, são equipamentos colectivos ao serviço da população local, e geridos por esta instituição.



A Banda Torroselense no Página UM


(in Página Um, de 11 de Setembro de 1976)

O jornal Página Um, que se publicou nos anos "quentes" da revolução de Abril, publicou este pequeno apontamento de minha autoria, sobre a Banda Torroselense. Este jornal, que politicamente, estava conotado com a UDP, partido que viria a dar lugar ao Bloco de Esquerda, estava a divulgar as colectividades culturais e recreativas. A nossa Banda foi, por acaso, a primeira a ser divulgada. Sempre que a oportunidade surgia, tentei divulgar - através da imprensa escrita, o bom nome da nossa terra e da Banda de Música. 

Esta, é na minha opinião,  uma boa maneira de servir Torroselo e as suas instituíções. Através deste blog vou continuar a pugnar por Torroselo, por Seia e pela região. Divulgando pequenas notícias que foram grandes acontecimentos na época, e publicando o que de bom se vai fazendo no presente. 

Curiosidades... (II)

Numa  pesquisa na internet encontrei este anúncio que, gostosamente aqui publico, para conhecimento dos meus leitores. Como todos sabem, era enorme e bem sucedida na vida, a colónia torroselense no Brasil. Muitos desses torroselenses tinham fortunas em terras de Vera Cruz e, tudo me leva a crer, que este "Edificio Torrozelo" fosse propriedade de conterrâneos. 

 

Edifício "Torrozelo"

Administração Predial Mia

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA

Ficam convocados os senhores condôminos do Edificio "Torrozelo", sito à rua do Rússel n.° 32, para comparecer à Assembléia Geral Ordinária, que será realizada às 17,30 horas do próximo dia 3 do mês de fevereiro de 1954, quarta-feira, na sede da Imobiliária Civia S. A., à Travessa do Ouvidor n.° 17, 2.° anda,r em primeira convocação; ou, na falta de número legal, às 18 horas, do mesmo dia e local, era segunda e última convocação, com qualquer número de condóminos e com o objetivo de deliberarem sôbre os seguia es assuntos:

a) Exame e aprovaçao das contas da Administradora no exercício de 1953;

b) Exame e aprovação do orçamento para o exercício de 1954;

Eleição e posse de novo sínc)

dico;

dl Eleição e posse do Conselho

Assuntos de interesse geral.

e)

Imobiliária Cárie S. A. — Gustavo Pedrosa Joppert.

(N.° 2.041 — 26-1-54 — Cr$ 81,60)